Os 05 passos para Escolher um Monitor para render

Atualizado: 21 de Ago de 2020

Quando se trata de comprar equipamento, por vezes, nos pegamos em dúvidas como “...isto realmente é necessário?”. E essa dúvida, em especial, se vê ainda mais presente no dia-a-dia daqueles que trabalham no ramo de arqvisualização no Brasil.


Talvez, tal hábito se deu pelos altos preços da tecnologia - que, no geral, é importada e ainda conta com uma carga absurda de impostos. No entanto, ainda assim é importante saber ponderar o que realmente pode ser chamado simplesmente de gasto (“ostentação”) e o que, na realidade, será um valioso investimento!


É um fato que para trabalhar com renderização no Brasil é necessário investir em equipamento pesado - e esse peso é sentido diretamente pelo nosso bolso - por isso, acabamos tentando economizar cada centavo que podemos naquilo que geralmente rotulamos como “supérfluo” - tais como mouses, teclados, caixinhas de som e por vezes o monitor.



Afinal, qual a importância do monitor no meu trabalho?


A pergunta pode até parecer boba, mas o que algumas pessoas não sabem é que o monitor é parte vital do nosso equipamento de trabalho no ramo 3D, já que é ele quem vai transmitir a imagem que vamos criar. Assim, ter um monitor de boa qualidade e com as cores bem calibradas é de suma importância para que tenhamos a certeza de que a imagem que vamos entregar ao cliente seja a mesma quando ele abrir em seu próprio monitor. Um monitor com cores e gama descalibrados, certamente será uma ferramenta que lhe causará diversos problemas.


Quem nunca mandou uma imagem numa rede social e ao abri-la em um outro dispositivo, tomou aquele susto por ver que estava completamente diferente?


Agora imagine desta forma: você passou dias concluindo o trabalho e fez de tudo para que as cores e os contrastes ficassem perfeitos. Ao enviar para o cliente, entretanto, ele lhe retorna dizendo que a imagem está muito amarelada ou esverdeada e que o contraste está muito forçado. Você, não entendo a situação, abre a imagem em um outro computador e descobre que é verdade. E agora? Vai refazer todo o trabalho?


A chance disso acontecer é real e nada pequena, caso você não esteja trabalhando com um bom monitor. E além disso, existe a chance do monitor do seu cliente estar descalibrado também. Mas para que você tenha certeza de que é o dele e não seu, você precisa de um monitor bom e calibrado. E é por isso que vamos listar abaixo as 05 coisas que você precisa saber para ESCOLHER UM MONITOR PARA RENDER.



Passo 1 - Conhecendo a Tecnologia IPS


Para quem não sabe o que é uma tela com tecnologia IPS (In-Plane Switch), é bem mais fácil de entender do que se imagina. Apenas pense: quem nunca tentou utilizar um notebook no colo, seja para assistir um filme ou ver um vídeo no Youtube e percebeu que a imagem escurecia de acordo com a angulação da tela? Chato né?


Agora pense nisso como a tela que você utilizará para trabalhar. Essa tecnologia basicamente melhorará a apresentação da imagem com uma definição aproximadamente 4x mais alta que um monitor convencional e impedirá que a imagem sofra alterações caso o ângulo de visão mude. Assim, além de representar as cores mais fielmente, ainda permitirá que você sempre veja a mesma imagem independente da sua posição em relação ao monitor.



Passo 2 - Definindo o tamanho ideal


Há quem pense que para escolher o monitor, quanto maior, melhor, mas não é bem assim que a banda toca. Um monitor muito pequeno realmente não é o ideal, já que irá dificultar você na hora de trabalhar em pequeno detalhes. Contudo, um monitor muito grande pode também não ser a melhor escolha, já que isso pode prejudicar a saúde da sua visão.


Assim como com TVs, existe uma distância mínima a ser respeitada de acordo com o tamanho da tela, além de que o ideal, ergonomicamente falando - é que o meio da tela sempre esteja na altura dos seus olhos. Assim, acredita-se que um monitor entre 23” e 27” já esteja de bom tamanho.



Passo 3 - Escolhendo a resolução


Não adianta nada você ter um monitor grande, se a resolução dele for baixa. A resolução, para quem ainda não entende perfeitamente do que se trata, nada mais é do que a quantidade de pixels que você terá na sua tela. Pixel, por sua vez, é o “quadradinho” que transmitirá as informações de cor da imagem. Ou seja, quanto mais pixels, mais informação será transmitida. As resoluções mais comuns são:

  • HD(1366X768)

  • Full HD(1920x1080)

  • QHD(2560X1440)

  • 4K(3840X2160)



Passo 4 - Buscando o melhor custo-benefício


O preço de todo e qualquer equipamento, muitas vezes, é o que vai determinar se temos ou não condição de realmente comprá-lo. Contudo, é importante salientar q